Machismo: toxina que degrada o meio esportivo - Michele Schultz

Biblioteca

Seja um dos 16 apoiadores do Ludopédio e faça parte desse time! APOIAR AGORA
ISSN 1981-4690

Machismo: toxina que degrada o meio esportivo

Volume

v. 35

Páginas

p. 71-76

Cidade

São Paulo

Arquivos

Resumo

O machismo e a opressão contra mulheres tem sua origem engendrada na estrutura da sociedade sendo, portanto, estrutural. O machismo estrutural permeia as várias esferas de organização social e política, inclusive o meio esportivo. Nesse ensaio busquei trazer alguns aspectos da gênese do machismo e da violência contra as mulheres, tentando estabelecer relações com fatos vivenciados no polo aquático brasileiro. O cotidiano de atletas da modalidade revela um ambiente tóxico e opressor, reproduzindo a violência contra meninas e mulheres. A falta de participação de mulheres nas esferas de decisão é um fator agravante. É necessário que reconheçamos a presença do machismo estrutural no meio esportivo para pensarmos ações de combate a essa prática opressora.

PALAVRAS-CHAVE: Polo aquático; Opressão; Violência; Mulheres.

Abstract

Misogyny and the oppression originated in the structure of the society and is, therefore, intrinsically structural. Structural misogyny permeates in many spheres of social and political organization, including the sports environment. In this essay, I have aimed to bring some aspect of the genesis of misogyny and violence against women to light estabilish relationships with some facts personal experiences within Brazilian water polo. The everyday life of the athletes of this modality reveals a toxic and opressive environment which reproduces the violence against girls and women. The lack participation of women in the spheres of decision making an agravant factor. It is necessary to recognize the presence of systemic misogyny in sports, and consider actions to combat this oppressive practice.

KEYWORDS: Water polo; Oppression; Violence; Women.

Cadastre-se para receber novidades